Monday, October 16, 2017

Sticker in a road - Only lovers left alive




Since I was a child I never knew how to write love stories...
How can a person describe a feeling with simple words?
How can someone put a love letter in a bottle and leave it randomly in some vast ocean?
Only lovers left alive is about a woman and a man...
Only lovers left alive is about everything and nothing at the same time...
Only lovers left alive is simply about life and a feeling in it...


"Sticker in a road"

I'm lost in a crossroad, it's raining cats and dogs and I clearly don't know where I am...




I'm on a road and I see a woman coming towards me telling me that I'm a puzzle with twenty five years.
 She smiles at me while saying:
- Will you join me for a beer in a bar in this same road?
I don't know what to answer since sparrows are whispering to me about a storm...
She continues talking with me:
- I've a Jack Daniels bottle in my car and some cigarettes...
The woman tells me:
- Have you seen me?



I look left and right, I smoke a cigarette and I think that a dream is an ice cream...
I answer her:
- Will you let me back in after the storm passes?
- Will I be able to smoke in your car?
- Will I be able to drink a bit of Jack Daniels inside it?
- I'm cold and I'll surely need sugar and honey after drinking and smoking.



   
The woman tells me about the virtues of a man like me that's widely known in the city where I was born and she tells me that she saw me on the news with lots of drawings based on myself by international artists and that my name is all over the world wide web with written articles about my work and who I am in several languages.
 I tell her that I'm only a simple guy that was born in Porto, that loves to communicate with people while showing my emotions and admiring artworks and that's all.
 She talks with me about soccer and how much she loves this sport.
 She also tells me that eyes are more than simple lies.
 I don't know what to tell her since I'm being burned by a cigarette that I'm smoking while she's talking to me.
  She asks me:
 - Do you comb your hair?
 I answer her:
- I don't remember combing it for twenty five years...
She continues telling me about present times, past times and thoughts about the future and I get a bit confused...
She asks me this:
- Have you ever lost any love?
- Who do you love most in life?
I try to reply her questions by telling her that I believe in "no lost love" and that I love my nephews, nieces and my kitty Ilvie because I know that she's alive and I'm not being able to see her and this hurts deep inside me.


She stares at me and tells me that with all its ups and downs, we live in a wonderful life...
I listen to flying sparrows while she's telling me this...
I watch the road ahead of us a bit scared...
I don't talk...
I don't think...
I only listen to my heart beating and beating...



She talks with me about flowers...
She tells me that she loves origami as an hobby...
I tell her that I believe in the power of words with feelings...
She tells me about how she feels her heart and soul fleeing her body lots of times while she's dreaming...
She tells me about her past...
I ask her:
- Will you help?
She asks me:
- With what?
I answer her:
- With everything...
She tells me: 
- I'll break your heart...
I tell her:
- Your past is not my concern...
While driving the road where we are in, we laugh, I smoke cigarettes, she tells me that she's tired and that I also am tired and we continue laughing and laughing until the break of dawn...
I tell her that I do feel her and that I'll show her the world in my eyes being her devotee...

To be continued



 

Friday, October 13, 2017

Permanent exhibition at greentea coffeeshop with help by international artists

Poster by Polish artist Bartosz Jekiel

I remember telling Bartosz to use a cup of tea and the sentence "the world within ourselves" for a narrative and he created this masterpiece.


Back poster for permanent exhibition at Green Tea by Polish artist Bartosz Jekiel

I also remember telling Bartosz to put an open chest with an heart flying out of it in the back poster for this exhibition and I've loved what he did.
 Here's the list of all artists that are going to be present in this permanent exhibition organized by country.

Argentina 
MR ED 
Fernando Sawa 
Mukor Bazan 
Colorada Majox  
German Genga 
Carlos Dearmas
Catriel Talarico 
Colorada Majox

Brazil
Alex Korolkovas 
Éder 

Croatia
Danjiel Zezelj 

Spain
Sandra Hernadez 
Miguel Almagro  
Javier Olivares 
Daniel Esteve
Fidel Martiñez Nadal  
Pedro Rodriguez 
Pedro Espinosa 
Ruben Pellejero 
Santiago Sequeiros  
Chema Garcia 
José Luís Ágreda  

U.S.A 
Bill Koeb  
George Pratt 
Jeffrey Alan Love 
Peter Kuper 
Paul Pope 

Finland
Terhi Ekebom 

France 
Walter Minus 
Isabel Pessoa 

UK
Brian Bolland 
David Lloyd  

Italia 
Sérgio Ponchione 
Stefano Zattera 

Polónia 
Bartosz Jekiel 
Nikodem Cabala 
Magdalena Minko

Portugal 
Ana Biscaia 
Paulo Pinto
João Sequeira

Sweden 
Lars Erik Sjunesson 
Max Andersson 
Nicolas Krizan 

Germany 
Lars Henkel
Claudia Pomowski

South Korea
Kang Sangbook

Preface to a narrative about the word "Permanent" in the "world within ourselves".

I never know what's Permanent or what does "forever" means in life.
I know that I love the work that I do and always try to put some love in it like it was a mere diary of what's going on in my mind, heart or soul.
Art is Permanent.
Life is always Permanent in our memories.
Work is not always Permanent.
Love is always Permanent.
Family is Permanent because it's the blood that runs in our veins.
Real friendship against all odds is Permanent.
Trying to think on all this while preparing and curating this exhibition doesn't make me dizzy, but makes me wonder about the word Permanent.

Main narrative with Permanent word on it and the sentence "the world within ourselves".

 Permanent is memories and all the love that I've in my memories for my five kitties.
 Jacky was the first baby kitty that I've had and that I've brought to a shared home.
 Nuala was a baby kitty that was starving in Lisbon streets.
 Maya was a kitty that was abandoned and its life was in danger when I gave shelter and food to her.
 Pimpolha was a kitty that was given to me by a friend and she was real weak at the time, real small, needed extra care and nobody wanted to keep her because of this, later I was informed by the friend that gave me Pimpolha that all her brothers and sisters died because of a disease and she was the sole survivor.
 Ilvie was a kitty that was going to be food for chinese people and to whom I wrote a love letter after a divorce like I've did before with the four kittens that were mine and were stolen from my sight.
They always gave me more than I could possibly imagine throughout the years that were in my life. 




With my first kitty Jacky


 Permanent is moments with all my nephews and nieces in my life since I was present when two of my nieces named Lara and Letícia were born and I couldn't be present in the other births by my  nephews Leandro, Sandro, Emídio or my other nieces Luzia and Isaura because they live in France and I'm a bit scared of airplanes.
 I love all of them a lot and what they give me are always the most pretty treasures in the world.


With my youngest niece Letícia at Metro in Porto

Permanent is Porto that's the city where I was born and that I love a lot and that I always try to pass my love for it to every single people that I've comunicated in the past or comunicate in the present.    


My youngest niece Letícia in downtown in Porto

Permanent is joy in millions of people's lives with a sport such as soccer and having right now at this moment the two best players ever in this sport whose names are Cristiano Ronaldo and Leonel Messi and that scare and make magic among goalkeepers and defenses. 

A goalkeeper trying to be erased of the map and soccer player Messi by Argentine artist Mr ED 

Permanent is Clint Eastwood in Sergio Leone's movie "the good, the bad and the ugly"


Clint Eastwood and Porto


Clint Eastwood by Portuguese artist Paulo Pinto

Permanent is water, food, coffee, pen, notebook, eraser, box and "honest mistakes" in life.  


Somewhere

Permanent is published books or yet unpublished ones.


A comic strip 

Permanent is books that reunite friends after some years like Swedish artists Lars Erik Sjunesson and Max Andersson to personalize a copy of their masterpiece "Bosnian Flat Dog" to me or to personalize other books by them with love for their work and I've laughed a lot while reading them.


Bosnian Flat Dog by Swedish artists Lars Erik Sjunesson and Max Andersson

The Excavation by Swedish artist Max Andersson


Ake Ordur by Swedish Lars Erik Sjunesson

Lamort & Cie by Swedish artist Max Andersson

Permanent is vampires that bleed you alive in this life. 


A vampire comic strip page by Argentine artist Fernando Sawa

Permanent is what a child thinks about the world where grown ups live. 

A comic strip page by Finnish artist Terhi Ekebom

Permanent is a shelter in some landscape in this world that we live in.

A shelter and a landscape by South Korean artist Kang Sangbook 


Permanent is a whisper in a street.

Street artwork

Permanent is trying to be the best version of you in this world. 


A bottle

Permanent is trying to know how to work as a team in this world for us to try to show sometimes to other people "the world within ourselves".  

Professional cards with design by Argentine artist MR Ed based on my kitty Ilvie at boémia caffe 

Permanent is trying to listen to a pure song in this world and feeling emotions with its sound and words.




Many thanks to all international artists that support some of my ideas.

Da mui nobre, sempre leal e invicta cidade do Porto
Manuel Espírito Santo 



Wednesday, October 11, 2017

Uma carta de amor dentro de uma garrafa em Cuba - A Portuguese love story - Only lovers left alive


Cuba




Por vezes, enquanto algo vai ardendo dentro de mim, procuro o sabor das palavras em imagens encefálicas mas que me vêm directamente do coração.
 Estando perdido algures em Cuba, imagino uma vilazinha no Alentejo num país chamado Portugal e vou olhando para um bar onde vejo um casal a dançar um mero tango de uma forma sensual e eu enquanto os observo vou bebendo uma cerveja e fumando um cigarro, sem sequer eu me aperceber, três anjos falam-me aos ouvidos: 
- Queres dançar comigo em Buenos Aires? 
- Procuras uma mera garrafa em Cuba? 
- Diz-me o que escreveste e dir-te-ei quem és.
 Eu continuo a olhar para as ruas de Cuba, sujas, cheias de lixo e vejo droga e prostituição em todo o lado e muitos me abordam numa sequência de assédio para fugir da minha missão de encontrar a tal carta.
 Olho para o espelho e vejo os meus olhos cansados e o cabelo que cresce enquanto procuro encontrar uma tesoura para o cortar eu mesmo, a minha barba também está enorme e somente com uma faca de cozinha e um pouco de sabão a vou tentando desfazer.
 Está um calor infernal e tenho meramente um dólar para me alimentar e beber e não sei o que fazer ou a quem recorrer.
 Tu falas para mim através do teu coração: 
- Vives na ilusão de uma carta perdida numa garrafa.
- Vives iludido com meras palavras.
- Continuas perdido entre sonhos e pesadelos.
Eu imagino o teu rosto na minha mente, enquanto vou pensando para mim mesmo em voz alta: 
- Que faço eu aqui perseguido por lunáticos? 
- Porque é que estas ruas emanam um cheiro a urina, sémen, sangue e droga? 
- Porque é que vejo ratazanas maiores que gatos a cada esquina? 
 Vou-me deslocando para uma mera garagem e quando abro a porta vislumbro imensas garrafas de cerveja vazias com algumas frases escritas dentro delas: 
 - Já ninguém escreve palavras.
 - Já ninguém dança 
 - Já ninguém ama.
 - A tua perseguição é a tua ilusão.
 - O teu coração já está sem razão.
 - A tua dor causa gritos silenciosos.
 - O amor é um sentimento perdido.
Eu fico meio perdido a ler estas frases, a minha camisola e as minhas mãos estão completamente sujas de estar a mexer nas garrafas de uma forma completamente aleatória e vou partindo cada uma das garrafas com os meus punhos cerrados, enquanto noto sangue a esvair dos mesmos.
Vejo insectos em todo o lado, baratas gigantes, centopeias, gafanhotos, aranhas que vão percorrendo as garrafas enquanto tento decifrar a carta que procuro e que se assemelha a um mero puzzle a ser montado.
 De repente um homem grita-me: 
- QUERES VER O BARCELONA - REAL MADRID? 
 Eu aceno-lhe com a mão que quero e vou para o seu bar beber uma cerveja, ele cobra-me pela mesma 20 cêntimos, ficando eu com uns meros 80 cêntimos, vou olhando para o ecran e vejo um relvado e 22 pessoas a correrem atrás de uma bola e um treinador que escuto na minha cabeça: 
- O melhor ataque é a defesa.
- Quando te atacam, tens que contra atacar rapidamente em segundos.
- Lembraste quando falei contigo na tua cidade natal? 
O dono do bar vai gritando a cada golo que marca o Barcelona e eu permaneço estático com o coração a gritar, enquanto passam pássaros no ar que me vão dizendo algo:
- Procura a GARRAFA.
- As palavras estão perdidas no tempo.
- Olha para o rótulo das garrafas.
- Nota o seu prazo de validade.
 Eu continuo no bar estático e o Barcelona está a ganhar 3 a Zero e o jogo está no intervalo, farto de estar no bar desloco-me para uma rua e vejo uma bela rapariga que me diz: 
- Tens medo do Satanás? 
- Queres dançar um tango comigo? 
Eu aceno-lhe com a cabeça que sim, sem sequer mencionar uma palavra e perco-me com ela numa dança sensual.
 No frenesim do tango e depois de ela me ter oferecido várias garrafas de vinho, fico perdido e acordo num quarto cheio de traças e pulgas com a rapariga a vestir-se e não sei onde estou.
 Visto as minhas calças e quando procuro nos meus bolsos, meras caixinhas que tinha como amuletos, noto que elas já não existem senão na minha mente.
 Tu continuas a dizer-me: 
- Porque é que escreves cartas de amor? 
- Será que não sabes que o calor derrete corpos numa fusão constante? 
- Será que não sabes que os fluidos secam nesse país tropical? 
Eu não sei o que te dizer e vou novamente para o armazém onde estão todas as garrafas á procura da carta e vou partindo-as todas somente com os meus punhos enquanto não vejo a mesma, mas sim frases soltas: 
- Procura um PORTO de abrigo.
- Busca o teu coração.
- A tua alma é mais do que razão.
Olho para o meu corpo esquelético e penso para mim mesmo: 
- Onde estão os meus sonhos? 
- Onde está a minha gata? 
- Onde está o meu equilíbrio? 
 Tu continuas a dizer-me: 
- Olha para mim e escuta os anjos que te rodeiam.
- Ama a vida e GRITA.
- Nunca desistas.
 Eu continuo a partir garrafas com os punhos literalmente ensanguentados e a minha T-shirt completamente manchada de sangue e encontro a carta numa delas e guardo-a no bolso das minhas calças, enquanto ratazanas gigantes tentam me atacar, vou fugindo do armazém em direcção ao bar e noto que o jogo está ainda a decorrer e o Barcelona continua a ganhar mas só por 3 a 2 e ainda faltam 30 minutos para o seu fim.
 O treinador do Real Madrid grita: 
- VAMOS A ELES EM CONTRA ATAQUE.
 Eu olho para a carta e vou-te dizendo: 
- Já ninguém escreve cartas de amor em Cuba.
- Já ninguém escreve cartas de amor.
- Já ninguém escreve.

E olho para uma parede na qual está escrito isto: 
- Continuas a arder, descansa.

Continua

Já ninguém escreve cartas de amor - A Portuguese love story - Only lovers left alive






Num qualquer hemisfério onde o tempo não passa de um lápis a escrevinhar um papel, vou-me lembrando de cartas de amor perdidas e esquecidas num qualquer armário.
- Já ninguém escreve cartas de amor.
 Dizes-me tu.
Eu fico um pouco perdido a vasculhar a nova tecnologia e a pensar que a extensão dos meus dedos não substituem o agarrar de um qualquer lápis ou caneta a desenhar palavras.
 Num qualquer espaço gélido perdido na Sibéria, escuto lobos a uivarem cantos de amor para as suas lobas.
 Vou pensando na busca de um livro e agarro-me a ele com força (como se tivesse a cumprir uma missão importante na minha alma), onde o paraíso e o inferno colidem.
 Fico parado a olhar para a tua silhueta que fica reflectida no gelo de uma região como a Sibéria, onde telefones ou novas tecnologias com vista à comunicação não existem.
 Mergulho num lago em busca de peixes para me alimentar e a água está gélida e o meu coração bate e bate e sinto-o quente enquanto continuo a vislumbrar a tua silhueta no gelo.
 As tuas formas cândidas fazem com que a temperatura aqueça um pouco a água que consome o meu corpo, saio da água com duas trutas ainda vivas e sem pensar muito ou reflectir demasiado no assunto, com duas pedras semelhantes a dois corações vou tentando fazer fogo para me alimentar.






 Tu dizes-me:
- Rapaz, olha o livro à tua frente, tens uma missão a cumprir.
 Eu vou lavando a alma e nutrindo o meu corpo com proteínas com o claro objectivo de sobreviver.
 Olho para a lua e ela está cheia e ao olhar para ela vislumbro o teu rosto doce e um sorriso matreiro que faz com que um qualquer esgar não seja traiçoeiro.
 Tu voltas a dizer-me:
- Parece que te conheço há anos e por vezes tenho a sensação que não te conheço, será o tempo e o espaço relativo?







 Eu tento entrar num racionalismo puro e duro como Gaston Bachelard me ensinou e na sua base, tentando conservar a minha existência com um sabor emocional.
 Volto a olhar para ti, enquanto as pedras não fazem fogo e tu silenciosamente falas-me de um comboio no qual devo ingressar para regressar para a minha terra.
 Eu fico a olhar novamente para o lago, está muito frio e tento agasalhar-me com umas meras peles de cordeiro que apanhei no chão, enquanto olho para o mesmo, noto a minha barba enorme e o meu cabelo despenteado e noto as brancas que aparecem no mesmo.
 Tu gritas para mim:
- Foge do gelo e volta para mim, não sejas uma pedra, ama uma chama.
Eu não sei o que te dizer pois o mero papel que escrevinhava serviu como isco para pescar as duas trutas que me vão alimentar.
 Tu continuas a gritar entre um sorriso e um mero beijo no ar:
- Precisas de músculo.
- Olha que te desmancham.
Eu fico impávido e sereno a contemplar o teu sorriso e os teus olhos que falam para mim e respondo-te:
- O poder do mundo sempre foi dominado pela mente e pelas palavras, nunca pelo músculo.
 Imagino-te a varrer o sítio onde vou dormir enquanto coloco sal nas trutas que apanhei para me nutrir, tendo em vista a minha existência.
 Tu dizes-me:
- Não és capaz de amar alguém?
Eu respondo-te:
- Já ninguém escreve cartas de amor, pois a imagem polvilha a mente do comum mortal.
Continuo a olhar para a lua e está uma noite cerrada e gélida e continuo a escutar o uivo dos lobos, vou imaginando os beijos que te dava ou o olhar com que me olhavas enquanto as pedras vão acendendo uma chama.
 Olho para o livro que trazia e está mesmo á minha frente enquanto coloco espetos para assar as trutas e vejo frases a gritarem dentro dele:
- Que fazes aqui?
- Diz-me quem amas e dir-te-ei quem és.
- Responde-me a meras perguntas de sim ou não, sem procurares uma escolha.
- Onde começa o Paraíso e acaba o inferno?
- Amo-te de uma forma desenfreada, mas será que sabes quem eu sou?
Novamente sem prestar a mínima atenção ás palavras, vejo uma qualquer árvore carregada de neve onde me encosto e um candeeiro a um quilómetro de distância com uma luz que me vai dando indicações acerca de um possível poiso ou de um sinal de civilização que ignoro e pretendo ignorar.
 Tu continuas a olhar para mim olhos nos olhos e dizes-me:
- Tu és um sonhador, um lutador, um ser utópico.
Eu sorrio novamente para a lagoa onde noto a tua silhueta e de 5 gatas que me fitam e ronroneiam para mim, enquanto vou pensando para mim mesmo:



Jacky, Maya e Nuala

Pimpolha

Ilvie


- Onde estais vós?
- Porque é que vos procuro quando busco meramente sobreviver?
Tu dizes-me de uma forma incessante:
- Não existe amor e uma cabana.
- Não existe amor e uma cabana.
- Não existe amor e uma cabana.
- Todos os escritores ficam perdidos entre a razão, emoção, estando constantemente divididos pelo coração que lhes foi arrancado por uma mera mão.


Cortazar



 Eu imagino a vida de outras pessoas, o inferno de estarem agarrados a um relógio ou o seu paraíso artificial quando acordam e vão para esse mesmo inferno nos seus carros, recolhidos nas suas casas com os seus aparatos electrónicos e digitais, constantemente a verem as horas que passam e passam, enquanto vou escrevendo com um ramo da árvore onde estou encostado estas palavras:
- O amor é um pedaço de alma e um coração que bate entre dois corpos que se assimilam.
 Passam pássaros por mim a voar e o barulho que fazem, deixam o meu coração a bater mais forte, escuto as palavras que eles me dizem:
- Que fazes aqui perdido nesta terra?
- Não procuras um carro ou uma casa?
- Não tens ambição em ser algo mais neste mundo?
Eu não os escuto e só penso no teu cabelo, nos teus lábios, nas 5 gatas que me rodeiam nos meus sonhos enquanto noto passos que me circulam e não sei de onde eles vêm, mas já nada me importa, pois numa qualquer carta de amor, o meu coração vai batendo e batendo num ritmo constante.
 Enquanto escuto os passos, só pergunto isto:
- Porque é que me tentaste matar sem dó nem piedade?
- Porque é que não tentaste vislumbrar aquele candeeiro com uma luz a piscar?

Um dizer



Tu dizes-me constantemente:
- Já não existem cartas de amor.
- Já não existem cartas de amor.
- Ninguém escreve cartas de amor.
- Ninguém escreve cartas de amor.
Eu olho novamente para ti e vejo-me focado no teu ser como uma âncora que me ajuda a suportar a direcção que quero tomar e não acredito nas tuas palavras.
 Por isso, te repito constantemente:
- O amor é um facto inegável.
- O amor é um facto inegável.
- O amor é um facto inegável.
- Imagens não substituem o amor.
- O amor não é uma nova tecnologia.
- O amor não é uma questão hormonal.
- O amor não é um qualquer meio de comunicação virtual ou real.
- O amor sente-se no espírito e na alma.
Tu continuas a repetir-me:
- Mas não existe amor e uma cabana.
- Não existe amor e uma cabana.
- Se te der um pouco de vinho, consegues olhar-me com outros olhos?
Eu não consigo responder-te, pois a tua silhueta é mais forte que o meu corpo físico, logo grito:
- O MEU ESPÍRITO E A MINHA ALMA, AMAM-TE.
- A AMIZADE É UM ESTRANHO TIPO DE AMOR.
Tu ficas a olhar-me e a observar-me e dizes-me:
- Quando encontrares uma serigaita qualquer deixas de me sussurrar aos ouvidos?
Eu imagino os teus olhos a percorrerem o meu corpo, enquanto um lobo me faz companhia numa noite fria e vou-te respondendo:
- Enquanto o meu cigarro não se apagar, irei sempre escrever algo para ti, num qualquer ramo perdido neste hemisfério.
 E vejo a tua silhueta a dançar comigo enquanto o lobo sorri para mim numa noite gélida onde o coração bate mais que a razão.
 Tu danças comigo e sussurras-me um segredo ao ouvido:
- Queres amar-me para sempre numa luz crescente?
Eu não sei o que te dizer, pois a luz do candeeiro vai ficando ténue e as minhas forças vão ficando gastas como uma qualquer pedra desgastada pelo tempo.
 No entanto, murmuro meras palavras para ti:
- Sei que num mero segundo és tudo para mim,.
- Sei que numa qualquer eternidade iras fazer parte da minha existência.
- Sei que enquanto viver, o meu coração e a minha mente não irão ser substituídos por uma mera Pen ligada a um PC ou um qualquer e-mail esquecido.



Uma parede


 Tu continuas a pensar e a dançar comigo enquanto varres o chão:
- Também sabes dançar?
- Também sabes cantar?
- Também sabes gritar?
- Ou será que vives sempre numa ilusão com uma luta com o teu coração?
Eu não penso no que dizes, pois sou guiado pela emoção e enquanto o meu corpo se vai perdendo numa busca de sobrevivência, busco a tua silhueta e uma das minhas gatas que sei que ainda está viva.
 O papel treme e treme enquanto escrevo algo sem razão, vindo da emoção e passando pelo coração.
 Volto a olhar para a lua e para o sol que está a aparecer e a dar-me luz enquanto vou comendo as trutas meio cruas que cozinhei e que vou dividindo com o lobo que está ao meu lado e quando dou por mim, a lua fica camuflada pelo sol e o sol por ela e sussurro-te algo sem tu te aperceberes enquanto estás perdida em tecnologias com o objectivo de teres algum tipo de trabalho ou no trânsito de uma qualquer sociedade:
- Tenho a certeza que ainda existe quem escreva cartas de amor.
- Tenho a certeza que ainda existe quem viva num mundo diferente deste que nos querem "vender", onde a emoção vence sempre a razão numa qualquer sociedade que dita as nossas leis e vai corrompendo o nosso espírito, a nossa alma e o nosso coração.
 Tu ficas a olhar para mim, para o lobo, para as peles que tapam o meu corpo numa noite gélida e perguntas-me:
- Mas o amor não é somente uma palavra?
- Mas a amizade não é somente um momento?
Eu volto a olhar para o lago e vejo trutas a nadarem vivas e a saltarem do mesmo enquanto vejo a tua silhueta e ao procurar a minha gata, digo-te com toda a crença do mundo:
- Tudo na vida tem de vir do coração sem qualquer tipo de ilusão.

Continua

Um mero rebuçado - A Portuguese love story - Only lovers left alive


Identidade por Ana Biscaia



A tinta sempre foi algo que entrou no meu sangue como um rebuçado que vai adoçando a minha boca após um cigarro.
 Num qualquer canto esquecido, procuro o miar da minha gata Viking enclausurada numa espiral de ódio.
 Ela vai olhando para mim e observa-me enquanto enrosca as suas patinhas no meu peito e diz-me:
- Procuras o sonho num sono qualquer onde elefantes cor de rosa te perseguem.
- Buscas o meu olhar ternurento enquanto as lágrimas te escorrem pela face.
- Não és um estranho para mim vindo de uma terra longínqua, sempre te irei amar enquanto viver.
 Vou percorrendo uma escada e observo duas meninas com 21 e 22 anos que me chamam de tio e eu fico estupefacto a olhar para elas, a interrogar-me do porquê de não as ter acompanhado desde pequenas, nesta mesma escada encontro quatro gatas que não estão perdidas na minha memória e que me vão dizendo:
- Deste-me um nome de um desenho animado que amavas quando eras criança, fui à tua primogénita, tu dizias que eu era branca e pura como a neve, lembraste de mim e de como eu te amava?
- Deste-me um nome de a guardiã dos sonhos quando me encontraste pequenina perdida em Lisboa toda malhada, recordas a ternura que tinha por ti quando me deitava nos teus ombros ou de quando me davas o biberão em bébé?
- Deste-me um nome de uma deusa da ilusão quando andava perdida na rua, será que recordas o meu cheiro e o meu olhar e todas as minhas cores?
- Deste-me um nome de algo frágil, pois fui a única sobrevivente de uma ninhada apesar de ser a mais pequena, num misto de preto e branco fui a tua estabilidade e recordo com amor a forma como me acariciavas.
 Eu continuo com o rebuçado na boca e nem sequer retiro o papel que o envolve e volto a observar tinta que escorre num qualquer papel como se a tivesse a beijar suavemente.
 Os elefantes cor de rosa perseguem-me como se fossem dragões a cuspirem fogo por todo o lado e eu busco um refugo num qualquer jacto de água.
 De repente aparece-me uma rapariga do nada que me diz:
- Venho de Milão, estou em Lisboa, posso ir ter contigo à mais bela cidade do mundo?
 Eu sem saber como ou porquê, respondo-lhe que sim e numa actividade louca mostro-lhe todo o esplendor da mesma.
 Ela fica cansada e agarra-se aos meus braços, aos meus cabelos num qualquer orgasmo encefálico e num momento, o tempo deixou de existir.
 Em volta de um fogão vou cozinhando alhos, cebolas, frango com imenso sal e continuo com o rebuçado na boca, desço para comprar tabaco num qualquer café boémio e outra bela rapariga diz-me:
- Lembraste de mim e de como gostava de ti na adolescência e dos teus mistérios?
Eu fico estupefacto e ainda com o rebuçado entre os dentes fico a falar com ela e após a conversa, recebo uma mensagem da ternura e amor/amizade nunca esquecidos após mais de 27 anos.
 A comida começa a esturricar e eu pego em garfos, facas e copos com água para aproveitar um belo pedaço de frango e o telemóvel volta a apitar com a seguinte mensagem de uma amiga querida:
- Vamos para os copos?
Retiro o rebuçado da boca e sinto o açúcar a percorrer a minha boca, língua e o meu sangue, enquanto vou saboreando o belo pedaço de frango para depois numa qualquer madrugada, perder-me em várias cervejas com bastante malte, queimando cigarro atrás de cigarro.
 Envio uma mensagem do meu telemóvel para outra pessoa para me ajudar a corroer o ódio e a raiva que alguém nutre por mim e obtenho o seu feedback, o cigarro vai-se queimando enquanto observo uma igreja românica na cidade do Porto.
 Escuto vozes de duas mulheres vindas do Báltico:


Báltico



- Lembraste de quando nos mostraste a alma da mais bela cidade do mundo ou de quando subíamos a monumentos abraçadas a ti e sem qualquer tipo de medo?
- Tu sabes que te sussurramos muitas vezes nos teus ouvidos quando escutávamos palavras da tua boca enquanto ias mascando rebuçados.
 Eu fico perdido no tempo e um pardal diz-me numa árvore junto á cordoaria:
- Tu vives numa utopia perdido em sonhos.
- Tu amas a tua cidade e as suas almas como poucos.
- Porque é que não és mais do que um mero cidadão desta terra que amas?
Eu respondo-lhe perdido na razão e na emoção:
- O meu pai é o rio que percorre esta terra e a minha mãe a sua ponte.
Viro uma esquina e de repente estou em frente ao tribunal e olho para a estátua da justiça na figura de uma mulher, que me vai dizendo:
- Recordaste das noites que passaste a contemplar-me nestas escadas enquanto a torre te observava?
 Eu continuo a ver os elefantes cor de rosa a tornarem-se em dragões que me aquecem com a sua chama enquanto busco leões em algumas paredes da Avenida dos Aliados e o Deus verde da floresta.
 De repente e enquanto olho para o céu vejo anjos a tomarem conta da cidade onde nasci que me dizem:
- Tu és um ser perdido e esquecido, mas a tua idade faz parte da nossa identidade.
 Sem pensar muito no que os anjos me dizem, busco Antas numa qualquer avenida sentado num café satélite enquanto como uma torrada e fumo um cigarro.
 Olho para a estrada e vejo isto escrito na rua:
- Se te sentires cansado, pensa um pouco, respira fundo e descansa.
 Desço a avenida vou para uma grande caixa onde encontro alguém sempre com um enorme sorriso que me abraça e me diz:
- Se o teu mundo é uma estrada, procura matar o ódio e amar com meras palavras como se de um mero rebuçado ainda envolto num papel se tratasse.
 Eu não sei o que dizer e busco papéis, cronologias de vida, o lado bom e o lado mau da mesma e sem sequer saber onde estou, tu vais-me dizendo:
- Queres uma boleia para uma qualquer estrada?
E nessa mesma boleia vais vociferando contra tudo e todos num círculo sem fim, onde a serpente continua a comer a sua própria cauda.
 Desço do carro, despeço-me de ti com ternura e vou meditando no sabor da cereja, das amendoeiras em flor ou de como as espigas eram rebuçados na minha infância sendo barradas com manteiga.
 Olho para o relógio, sinto-me aprisionado, imagino um manto protector nos meus ombros e sei que num qualquer sonho ou pesadelo, irei ver o início de uma qualquer relação emocional.
 Os elefantes cor de rosa continuam a perseguir-me enquanto a minha sobrinha mais nova me diz:
- Acorda tio, vou-te ganhar ao braço de ferro porque comi muito hoje.
 Eu sorrio para ela e vejo um novo futuro na minha estrada, uma qualquer luz acendida, uma janela entreaberta, enquanto noto o cheiro da vela que vai ardendo na minha casa e sem pensar em nada, todas as minhas recordações me inundam a mente e vou pensando para mim mesmo:
- Será que sozinho e com pouca ajuda consigo criar um império com meras palavras e um rebuçado sem papel a envolvê-lo?

Continua