Tuesday, December 11, 2018

Cadernos de notas personalizados numa história de amor - Artistas internacionais


Num qualquer estado amnésico, vou observando o teu rosto perfeito ou o teu sorriso que não é invisivel, mas sim intelegível.
 Muitas vezes fico a pensar no que sonhar para te amar enquanto o teu corpo baloiça num misto de emoção/paixão sem ilusão.
 No meu ar desleixado, pensador ou até sonhador vão-me perguntando de quem são os trabalhos artisticos que servem de ilustração a cartas manuscritas em mil e uma versões infinitas, sem saber muito bem o que responder vou narrando aleatoriamente frases que ecoam na minha cabeça:
- Estes são os melhores artistas plásticos contemporâneos que conheço.
- Sou simplesmente um mero escritor que procura cor...
Alguém me vai dizendo isto:
- Tem cuidado com quem falas...
- Lembro-me dum espaço que tinhas...
Eu fico impávido e sereno e respondo isto:
- O meu sonho nunca foi nada medonho ou tristonho, mas sim puder ser um bom escritor reconhecido pelo seu trabalho enquanto tenta conduzir uma autobiografia com a ajuda de artistas internacionais que são maiores que a própria vida, mesmo quando ela é elucidativa.
- O que é real numa história é o que se faz de memória.
- Vários improvisos sempre trouxeram imensos sorrisos.


Autobiografia

Vou pensando no genial trabalho do artista sueco Max Andersson enquanto observo como com alegria e simpatia vais empilhando cadeira sobre cadeira.


 01


02

03


04


Escuto o Bolero do compositor Francês Maurice Ravel com trabalhos artisticos a serem desenvolvidos numa qualquer tela com areia demonstrando a evolução da natureza e só penso na tua beleza.






Penso no estado de consciência permanente na série televisiva Westworld e só sinto o sabor da tua verdadeira essência.

01

02

03

Escuto e visiono uma música fabulosa da minha amiga e fantástica compositora sueca Helena Espvall que entoa nos meus ouvidos e faz com que os meus olhos semi cerrados não fiquem apagados.



Dizem-me que estou perdido sem sequer ter nascido...
Dizem-me que as mil máscaras que possuo não são o meu rosto, mas sim um posto.
 Medito um pouco enquanto vou contemplando uma fabulosa capa de um livro magistral chamado "Pixy" concebido pelo artista sueco Max Andersson com o qual tive o privilégio de trocar algumas palavras numa entrevista posteriormente redigida neste mesmo blogue num post anterior e que inclusive me desenhou como um personagem das suas histórias baseadas em memórias.

04

Penso em livros polacos que são opacos.
Penso no rosto da minha amiga e genial artista finlandesa Terhi Ekebom enquanto a sua obra de arte é colocada numa máscara num estado passional onde o estado da alma tem um valor imaterial.

05

Vou escutando outra música numa versão interpretada pela banda francesa Nouvelle Vague lançado mundialmente em 2004 com o titulo da banda dum tema da banda norte americana Tuxedomoon do albúm "Holy wars" de 1985  que me vai dizendo isto timidamente em inglês traduzido livremente por mim para Português:
"Falando timidamente, só quero dizer que nunca esqueci como me disseste tudo ao nada dizer.
Falando timidamente.
Eu não percebo como o amor em silêncio não é compreendido, tendo a certeza que o que sinto por ti vai além de meras palavras.
Dá-me as palavras que nada me dissem.
Dá-me as palavras que tudo me dizem.
Falando timidamente, a semântica não chega, nesta vida na qual vivemos fazemos de conta e a emoção que sentimos parece que tem que ser sacrificada.
Falando timidamente só quero dizer que como tu eu só quero encontrar uma forma de dizer-te tudo sem te dizer nada."
 Vislumbro no video, uma mulher atada como uma marioneta, muda quieta e estática que após uma narração de quem a ama se transforma em algo belo e móvel na liberdade da sua idade.





 Sempre escrevi que quando estou com a minha sobrinha mais nova Letícia que o mundo pára.
 Sempre mencionei todas as minhas gatas de estimação que me foram roubadas com os nomes que escolhi para todas elas: Jacky, Nuala, Maya, Pimpolha e Ilvie permanentes nas minhas memórias em textos sem histórias.
 Todas estas emoções fazem parte do manuscrito que te escrevo com uma obra de arte inspirada em mim pelo artista brasileiro Éder e na minha última gata de estimação Ilvie pelo Artista Argentino Mr Ed ou pelo artista espanhol Jon Ander Azaola na foto abaixo.
 Sempre mencionei inúmeras vezes o gesto imaterial da beleza de excelentes artistas que captam a nossa alma e a sua essência sem um qualquer tipo de demência e que são seres humanos com uma beleza interior sem igual.

05

Num qualquer manuscrito, a minha sobrinha mais nova Letícia irá fazer sempre parte do mesno, pois ela é uma delícia.
 Vislumbro um homem em sombras criado por um artista alemão chamado Lars Henkel que esteve na invicta num festival chamado Mab em 2012 organizado por mim e por uma pequena equipa no conceito Invicta Indie Arts que colidiu e colide com as minhas memórias no passado ou no presente na minha mente.
 Encontro uma fala de um filme fabuloso do realizador vietnamita Tran Ahn Hung no seu magnifico filme "Vertical ray of the sun" de 2000 no qual uma das irmãs que são as personagens principais do mesmo dizem isto a um homem:
- Aceitaria essa desculpa de qualquer pessoa, mas não de ti, pois as palavras são o teu oficio.

06

07

Penso num qualquer projecto artistico que iniciei com ajuda de inúmeros artistas internacionais baseado na personalidade da minha amiga russa Svetlana Zombierella Nagaeva que tem uma personalidade deslumbrante como enaltecimento do papel da mulher no século XXI na sociedade e num trabalho artístico baseado na mesma pelo artista espanhol Daniel Esteve com uma frase que a própria diz numa entrevista num qualquer estado de espirito, mais uma vez traduzida livremente por mim do idioma inglês para o português:
"Se as pessoas não conseguem lembrar-se do meu nome, chamem-me simplesmente por Zombie".

07

Vou narrando uma história duma jovem delinquente chamada Cassandra e que foi salva desses actos ao posar como modelo para o artista norte americano Erik Von Erik assim como noutro trabalho artístico no qual a minha silhueta vai perseguindo a minha amiga Russa Svetlana Zombierella Nagaeva enquanto ela faz uma chamada analógica telefónica magistralmente colocada em obra de arte pelo artista Canadiano Stanley Wany.


Volto a escutar uma fabulosa música ao vivo da banda norte americana Low chamada "Lullaby" do magistral albúm "if I could live in hope" de 1994, cuja letra traduzo de uma forma livre abaixo:
"Vem ao meu encontro e olha para mim.
Sê o ponto, sem te deixares queimar.
Todos nós queremos, todos nós ansiamos
Tem suavidade, não sejas má ou severa.
Uma canção para tu adormeceres, não te deveria fazer chorar, pois eu cantei as palavras que sempre te quis dizer.
Eu cantei as palavras que eu sempre te quis dizer"



Observo o teu corpo que dança num movimento em um momento.
 Recordo-me da minha última gata de estimação de seu nome Ilvie num magistral trabalho artistico do artista argentino Mr Ed, num poster de uma exposição permanente num trabalho artístico baseado em mim pelo artista polaco Bartosz Jekiel no qual saio duma chávena da chá a fumar um cigarro num afago, penso um pouco no personagem Sandman desenvolvido pelo escritor inglês Neil Gaiman num trabalho artístico por parte do artista norte americano Marc Hempel enquanto ele medita sobre uma mulher do século XXI em carne e osso desenvolvida numa ideia que ajudei a conceber pelo genial artista brasileiro Alex Korolkovas.


Vislumbro o personagem Corto Maltese criado pelo escritor e artista italiano Hugo Pratt e num diálogo com um corvo ao qual ele sussura "e de tudo o que sonhei, a única coisa concreta que me resta és tu", meio baralhado ou confuso, vou-me recordando dum magistral filme do realizador sul coreano Kim Ki Duk chamado "O Arco", no qual o pai de uma jovem rapariga tenta a todo o custo que ela continue virgem, enquanto ela baloiça livremente numa corda atada num barco, como objecto das setas que o seu pai lhe atira com uma flecha para a proteger, duas obras artísticas do personagem Sandman criado pelo escritor britânico Neil Gaiman e desenhado pelo artista norte americano Marc Hempel, volta a aparecer nas minhas memórias, estando o mesmo numa delas num estado cansado e noutra num estado altivo.
O magnifico artista argentino Mr Ed, mostra um trabalho seu artistico, no qual uma mulher de papel do século XX se transforma noutra do século XXI e nas minhas memórias o filme "8 e meio" do realizador italiano Federico Fellini, deixa de ser ficção e torna-se realidade numa qualquer cidade.

09

 Continua a ecoar na minha mente uma genial música chamada  "Musette and Drums" da banda britânica Cocteau Twins num dilema Shakesperiano, enquanto observo o teu corpo que se movimenta e as palavras da música vão entrando nos meus ouvidos preenchendo a minha alma numa tradução livre das mesmas do idioma inglês para o português "fiz-lo outra vez, somos treinados a seguir o dinheiro de uma forma rápida e observando tudo, a mágoa é imensa, escrevemos uma canção, em prole de alguém que somente tem 13 anos  chamada Julieta, uma musa glorificada em tambores num final trágico, porque ela é deslumbrante e bela, enquanto a observamos" 



 A música não sai da minha cabeça, enquanto observo a tua força e vigor como uma mulher guerreira que luta por uma vida melhor, para esquecer o passado.

10


 Observo o teu rosto, o teu movimento, a forma como sorris, sabendo do teu estado de espírito interior e de como nos encontramos nesta estrada chamada vida.
10a
Volto a pensar no personagem Sandman criado pelo escritor britânico Neil Gaiman homenagem ao mesmo por parte do genial artista plástico brasileiro Douglas P. Lobo.

11

 Penso na magia da Invicta num qualquer sonho nórdico que tenho de ser somente uma outra pessoa chamada Mauno que vive numa cabana de madeira algures na Finlândia, enquanto sou assolado pelas memórias da minha gata Ilvie, dos tempos em que estava e estarei até ao final dos meus dias com a minha sobrinha mais nova Letícia que é e será um dos meus maiores tesouros nesta vida, nas personagens que ela cria na sua alma, espírito e mente de apenas 8 anos, onde a verdade do que é a vida ou a amizade não é algo místico, mas sim real, num amor de tio que será sempre eterno enquanto sou assolado pela magnifica estátua patente na Rotunda da Boavista, onde o ontem, se confunde com o hoje e o amanhã.


12

13


14


Continuo a percorrer cadernos personalizados com um trabalho artístico baseado na minha pessoa pelo artista espanhol Pedro Rodriguez, num tributo ao personagem de banda desenhada "The Spirit" criada pelo artista norte americano Will Eisner.

15

Penso nas ideias que me são transmitidas pela minha amiga e genial artista Finlandesa Terhi Ekebom enquanto ela faz um trabalho artístico baseado num projecto internacional com outros artistas baseado na música Russa Svetlana Zombierella Nagaeva, a qual por vezes me empresta o seu fabuloso personagem para criar uma trama ou enredo para ser publicada em livro.

16

O trabalho artístico do artista sueco Max Andersson volta a aparecer na minha mente, onde todos nós enquanto seres vivos, somos simplesmente máquinas que se assemelham a carros que andam a baixa ou alta velocidade nos nossos sonhos.

17


Uma imagem estática de um poster para uma exposição que teve lugar em Paris com a ajuda de artistas internacionais, dedicada a algo tão simples como o conceito de "vida e morte", surge no meu semblante com uma foto minha com a minha sobrinha mais nova Letícia num design majestoso pelo artista belga Christophe Swijsen 

18

O trabalho artístico do artista sueco Max Andersson volta a aparecer na minha mente, onde vislumbro um personagem que se assemelha a uma caveira a brincar com meninas de tenra idade.

19

Escuto diversão num concerto improvisado pelo meu amigo Oliver Blees que é artista gráfico e líder duma banda genial de seu nome The twang monkeys




Algures encontrado no que sou num trabalho artístico baseado em mim pela artista francesa Isabel Pessoa, vou pensando numa mulher de papel do século XX desenhada pelo artista francês Walter Minus e com o qual colaborei com mais de 120 artistas internacionais num projecto com o meu trabalho difundido e distribuido através de exposições curadas por mim pelo mundo inteiro e de livros através da editora norte americana Fantagraphics para a qual trabalhava com distribuição mundial dos mesmos.

20

Pedem-me para sonhar e não pensar em memórias sem estórias e vou murmurando ou até gritando as virtudes de um animal inteligente como é o caso do morcego, a quem vulgarmente vou lhe dando o nome de traça na companhia da minha priminha Evinha.

21

Memórias da minha adolescência voltam a assolar-me enquanto me recordo de dois concertos da banda britânica Bauhaus e que foram uma escola de aprendizagem e até um movimento artistico do qual fui aprendendo um pouco do que é a arte que espelha a vida na sociedade mundial.
 Esqueço as memórias ou de como o líder da banda Peter Murphy me pagou um simples café para falarmos de banda desenhada ou de um dos nossos ídolos de infância que foi o camaleão e músico britânico David Bowie.


22

23

24

25

Algo perdido entre questões complexas/simples de dois génios da Humanidade como são os casos do físico teórico alemão Albert Einstein ou do escritor português Fernando Pessoa assolam-me a mente num simples e minúsculo caderno de notas.
"Haverá algo mais verdadeiro do que ser pessoa entre a multidão?" - Fernando Pessoa
"Haverá algo mais verdadeiro do que reinventar a quantidade?" - Albert Einstein

26

27

Num qualquer caderno de significados manuscrito aparece-me a mesma imagem do artista sueco Max Andersson rodeado por crianças, imagens de capas de revistas da mítica série de banda desenhada Love & Rockets criada pelos Irmãos Hernandez, um trabalho genial do artista alemão Lars Henkel ou ainda um trabalho artístico criado pelo artista Argentino Mr Ed numa interpretação livre do músico Morrissey que também fez parte da minha adolescência.
 Questiono-me o porquê da junção de todas estas imagens num simples caderno de significados e vou fumando um simples cigarro.


28

29

30

31

Fico a imaginar-me algures numa velha cabana feita de madeira nas ilhas Faroé enquanto vou escutando uma magistral actuação da compositora nascida no mesmo país Eivør Pálsdóttir com o seu tema "trøllabundin" rodeado pela tua beleza rodeado pela natureza.



Entro num qualquer estado transcendente com magnificos desenhos de gatos pela artista Argentina Patrícia Breccia ou algo perdido numa narrativa de sonhos de mais de 15 anos transportada para livro na excelente obra "L'excavation" do artista sueco Max Andersson.

32

Sou perseguido pelo personagem Ake Javel do artista sueco Lars Erik Sjunesson enquanto na minha mente dispersa só consigo visualizar papéis em movimento num sonho nórdico.

33

Volto a entrar e a sair num labirinto de sonhos onde imagens em movimento da minha amiga e artista finlandesa Terhi Ekebom, os vai definindo como toda a complexidade que é ser menina e posteriormente transformar-se em mulher.

34

A minha cabeça entra num gramofone assim como o actor norte americano Kyle Machlalan que é o personagem principal da série Twin Peaks criada pelo realizador norte americano David Lynch, o fez ao mencionar que "de uma forma acidental, esqueceu-se dos seus auriculares em casa, mas que ainda gostaria de escutar as suas músicas favoritas", sendo ao mesmo tempo perseguido pela personagem Elektra criada pelo artista norte americano Frank Miller.


35

Num qualquer espaço de tempo fico a meditar sobre o que paira na minha mente enquanto observo um trabalho artístico magistral do artista Argentino Santiago Caruso onde o poder e a corrupção são sinónimo de prostituição ou de como uma mulher de papel do século XXI volta a ser encarnada por uma mulher em carne e osso vista pelo genial fotógrafo Brasileiro Alex Korolkovas numa parceria minha com ele.


36

Vou vagueando nos sonhos de uma jovem rapariga magistralmente desenhada pelo meu amigo e artista japonês John Kurokawa, enquanto vou reflectindo no que dizia o escritor escocês Grant Morrison na sua obra suprema "The invisibles", na qual em pleno virar do século, ele simplesmente dizia "que estamos a abandonar o século XX" com uma capa com um design fabuloso por parte do artista e designer gráfico britânico Rian Hughes com o qual trabalhei também num projecto onírico baseado nos sonhos de uma mulher de papel do século XX.


37

Uma frase do filósofo norte Americano Henry David Thoreau vai martelando a minha mente incessantemente ao vê-la em todas as ruas "Não interessa para onde olhas, o que interessa é o que vês", o magnífico filme 2046 do realizador chinês Wong Kar Wai de repente vem-me à memória na nossa história.

38

Uma música da compositora sueca Fever Ray assola o meu espírito enquanto a traduzo de uma forma livre do idioma inglês para o português.
"Sou a primeira a saber que a memória volta a aparecer quando somos mais velhos. Seguindo o carreiro até ao Norte onde pessoas como nós flutuam. Não existe espaço no meu colo para pisadelas ou aplausos, não irei desaparecer, porque para sempre estarei aqui. Sussurando: manhã, deixa que as ruas estejam desertas para mim. Estou deitada a comer neve, a minha pele está quente, a minha língua está fria numa cama cheia de teias de aranha, vou pensando como fazer a minha própria metamorfose. Uma boa dose de esperança na tenda de um homem, não existe espaço para a inocência, leva-me a casa antes que venha a tempestade, as milhas que iremos caminhar irão manter-nos quentes. Destapa as nossas cabeças e mostra as nossas almas, pois estávamos famintos antes sequer de nascer."



Nas minhas memórias sem estórias vou pensando numa fantástica trilogia do escritor contemporâneo Islandês Jon Kalman Steffansson onde o propósito de uma mera viagem era entregar um livro manuscrito a um amigo por entre o frio da Islândia num barco e pensando para mim mesmo novamente volto a converter uma mulher de papel do século XX com a ajuda da mestria do traço do artista espanhol Eduardo Alvarado Sanchez Cortes que também criou uma fabulosa obra artista baseada em mim e no treinador de futebol José Mourinho que irá fazer parte duma qualquer autobiografia.

39

Entro no Universo do realizador italiano Federico Fellini, onde um projecto dum nono filme se converte num meio filme onde o que interessa não é a forma, mas sim o conteúdo como um testimónio. 
 Volto a observar rascunhos deste realizador no qual nos mostrava a vida em todo o seu esplendor para os transformar nas suas obras primas "Ginger e Fred" e "La dolce Vita" assim como o filme que ele simplesmente não realizou chamado "Viaggio a G. Mastorna" e o qual ficou registado em livro com argumento da sua autoria e com trabalho artístico do mestre italiano Milo Manara.
 Sem eu sequer me aperceber vislumbro um trabalho artístico do meu amigo e fabuloso artista espanhol José Luís Ágreda, onde o personagem de um marinheiro maltês chamado Corto Maltese permanece num estado calmo, enquanto o personagem Rasputine encontra-se num estado frenético numa dualidade de personagens com alma criados pelo mestre italiano Hugo Pratt.

40

41

Não penso em diálogos de personagens da fabulosa série de TV Peaky Blinders enquanto vou observando palavras misturadas com fotografias de alguns dos seus personagens principais.

42


Alguém me menciona que a mítica banda norte americana Ramones deu um concerto em 1980 em plena invicta no pavilhão Infante de Sagres e eu fico estupefacto quando constato o que me contam como história numa cidade sem idade.
 O homem vai-me falando das inúmeras operações que já fez dizendo-me isto:
"Já fui todo aberto da cabeça até aos pés, a minha alma deve andar a flutuar algures por ai."


Fumo um cigarro e tento esquecer tudo numa autobiografia/história de amor enquanto sonhos me perseguem na noite.

43

Penso num qualquer projecto iniciado por mim para com uma música russa chamada Máscara Girl, enquanto um esboço preliminar do mestre japonês John Kurokawa vai-me interrogando isto aos meus ouvidos:
- Continuas a seguir a mesma linha de pensamento?

44

A minha amiga Russa Mascara Girl que adora futebol vai-me dizendo que vai para Tripoli na Líbia e que irá continuar a comunicar comigo sobre futebol. Fico satisfeito.

45

Fico a pensar num tributo visual e auditivo à magistral série televisiva Peaky Blinders durante uns meros três minutos.




Uma caneta vai gritando qualquer coisa na minha direção que não consigo decifrar.

46

Surgem imagens de objectos criados pelo artista norte americano Erik Von Erik baseado no magistral filme "Nosferatu", protagonizado pelo actor alemão Max Schreck e realizado pelo realizador alemão Murnau enquanto penso num relato que este mesmo artista me fez sobre o passado delinquente de uma das suas modelos com o nome de Cassandra.

47

48

49

Sem pensar num projecto autobiográfico, vou procurando significados numa rua chamada Azevedo, onde a tua esbelta figura sorri para mim.

50

51


Vou procurando retalhos de filmes de terror no sublime tributo que a banda britânica Bauhaus fez ao actor hungáro Bela Lugosi com o tema "Bela Lugosi's dead" nos confins da minha memória da adolescência.




Uma frase no idioma inglês entra no meu espírito:
"personalidade é como tratas aqueles que nada podem fazer por ti."

52

Memórias vão assolando o meu interior quando me recordo dum abraço espontâneo que me foi dado por uma criança que é quase como uma das minhas sobrinhas chamada Ceci e retribuo com um simples postal feito por mim sobre recordações.

53

Volto a buscar essência em cadernos personalizados, seja com a minha amiga artista finlandesa Terhi Ekebom a pintar um mural com uma menina no dorso de um tigre, com um desenho da artista Argentina Vanesa Carosia com uma mensagem que diz o seguinte: "E ela tudo faz pelos seus superiores", com uma foto de uma mulher de papel do século XX que se transmuta numa mulher do século XXI encarnada pela modelo Bárbara Nogueira vista através das lentes do fotógrafo Brasileiro Alex Korolkovas, uma foto minha junto ao escritor português Fernando Pessoa, um trabalho artístico do artista espanhol José Luís Ágreda baseado num filme sublime intitulado "Leon, o profissional", num poster do filme "A casa" do realizador Lituano Sharunas Bartras, numa pintura do poeta e pintor inglês William Blake, num trabalho artistico baseado na minha pessoa pelo artista Argentino Mr Ed ou num trabalho artístico baseado na entidade mitológica grega Medusa pelo artista italiano Danilo Dast Strulato.


54

55


56

57

58


59


60

Buscar a essência da vida é procurar a unidade da universalidade num processo de identidade, pois se o amor é um poema, a diversidade é um lema entre foguetes como no trabalho artístico do artista alemão Lars Henkel que ilustra este simples texto. 
 Numa mistura memorial do mestre camaleão numa obra prima do artista belga Christophe Swjisen com o músico norte-americano Tom Waits magistralmente desenhado pelo artista argentino Mr Ed, procuro nas tuas linhas sobre o que escrever. 


61

62

63

Perdido algures em Italia procuro o teu rosto no personagem Earl Foureyes concebido pelo artista italiano Stefano Zattera ou numa música do mestre Australiano Nick Cave desenhado pelo artista Polaco Nikodem Cabala, onde a emoção está no teu coração. 


64



Sem pensar ou sonhar, num papel opaco, observo um caderno com um trabalho artístico baseado numa mulher pelo artista italiano Rolando Cicatelli ou numa magistral homenagem ao músico e actor norte-americano Tom Waits pelo sublime artista espanhol Ruben Pellejero, enquanto me vais dizendo isto:
"Um sumol de laranja é uma dança sem lança, um sumol de ananás tudo te traz."

65

Fico sensibilizado com as tuas palavras e o movimento do teu corpo quando te agarro num breve afago enquanto vislumbro mais uma obra prima baseada no músico Australiano Nick Cave numa obra de arte pelo artista polaco Nikodem Cabala ou numa serenata musical criada pelo artista sueco Lars Erik Sjunnesson para contemplar a tua beleza sem igual. 

66

Novamente perdido em pequenos pedaços de papéis que corto e colo manualmente baseados em obras de arte pelo artista argentino Mr Ed ou em posters de filmes de uma vida, penso na nossa ida sem partida. 

67


Ao escutar uma magistral música da banda norte-americana The Strokes, passa pela minha memória um trabalho artístico do artista espanhol Javier Olivares ou de como uma série de televisão chamada Westworld é a nossa emoção. 

68


Deambulo em trabalhos artísticos para alguns dos meus futuros projectos baseados em mulheres do século XXI como são o caso dos que abaixo ilustram palavras de amor sem dor como são os casos do artista Norte-americano Erik Von Erik, do artista norte-americano Rikki Romero, do Alemão Julian Weber, do italiano Alberto Lavadori baseados na minha amiga e excelente artista musical Svetlana Zombierella Nagaeva, da também música Russa Mascara Girl ou da modelo norte-americana Rachel e fixo o meu olhar somente em ti. 

69

Sinto o teu corpo a esbarrar no meu, enquanto volto a vislumbrar trabalhos artísticos fenomenais de artistas internacionais com os quais irei voltar a trabalhar num projecto futuro como são o caso do artista Alemão Lars Henkel, da artista Finlandesa Terhi Ekebom, do artista Canadiano Stan Wany ou do mestre espanhol Eduardo Alvarado Sanchez Cortes
 O meu presente está na tua mente, o meu passado deixou de ser um simples dardo. 


70

Escrever é saber ler e contemplar a magia de linhas que se confundem com esboços artísticos em paragens. 


71

72

73


Livros são simples magia num só dia com pensamentos ou com todas as nossas cartas de amor que sei de cor. 

74

75


Talvez te esteja a ligar num orgasmo intenso num momento de maresia onde a poesia se confunde com o dia. 

 77

Não estou perdido nos anos 90 na magistral série televisiva Twin Peaks do realizador norte-americano David Lynch, mas sim na mesma série que tu e eu vislumbramos no ano passado. 
 - Tens um cigarro num tempo passado? 
 - Tens emoção dentro do teu coração? 
 Vais-me perguntando isto sem cessar junto ao mar. 


78


79

80



Meditando numa qualquer igreja fico à tua espera, sabendo que a nossa dança é eterna num amor nada indolor e com muita cor.

81

Pensando num trabalho que tenho que realizar baseado no escritor norte americano Howard Philips Lovecraft com a ajuda de artistas internacionais para ser publicado em livro, sinto-me por vezes um pouco cansado, mas o calor do teu corpo faz com que nada em mim esteja morto.


82

83
Redigir cartas de amor em cadernos personalizados em branco com trabalhos artísticos de artistas internacionais enquanto escrevo uma história de amor ou os utilizo como amostras do meu trabalho não é uma tarefa nada fácil, mas que posso eu fazer quando o coração, a mente e a alma se fundem no lazer e no prazer?
Abaixo coloco uma outra música chamada "Words" da banda norte americana Low que traduz um pouco o meu estado de espírito ao pensar, delinear, organizar este post para ser usado numa qualquer autobiografia.






Obrigado a trinta dos melhores artistas internacionais cujos trabalhos ilustram os meus blocos de notas personalizados e este post e com os quais trabalhei, trabalho e irei trabalhar em exposições e livros a nível internacional de vários países, tais como:
Alemanha 
Lars Henkel com vários trabalhos artísticos baseados no tema identidade 
Argentina
Mr Ed - Com trabalhos artísticos baseados gatos como animais de estimação, na minha gata Ilvie, numa mulher de papel do século XX que se transformou noutra do século XXI, no vocalista Morrissey da banda britânica The Smiths, num trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem e no músico norte-americano Tom Waits 
Santiago Caruso - com um trabalho artístico baseado no tema "Corrupção". 
Pablo
Patricia BrecciaCom trabalhos artísticos baseados gatos como animais de estimação. 
Vanesa Carosia - Com um trabalho artístico de como algumas "mulheres" sobem na carreira. 
Belgica 
Christophe Swjisen - Com um trabalho artístico baseado em mim e na minha sobrinha mais nova Letícia e com outro baseado no músico britânico David Bowie
Brazil 
Alex Korolkovas - Com um trabalho artístico baseado numa mulher de papel do século XX que se transformou noutra do século XXI. 
Douglas P. Lobo - Com um trabalho artístico baseado na personagem Sandman criada pelo escritor inglês Neil Gaiman
ÉderCom um trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem. 
Canadá 
Stanley Wanynum trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem assim como a minha amiga e música Russa Svetlana Zombierella Nagaeva. 
Espanha 
Daniel Estevenum trabalho artístico baseado na minha amiga e música Russa Svetlana Zombierella Nagaeva. 
Javier Olivares com um trabalho artístico baseado na banda norte-americana The Strokes. 
Eduardo Alvarado Sanchez CortesCom um trabalho artístico baseado numa mulher de papel do século XX que se transformou noutra do século XXI assim como outros trabalhos sobre identidade. 
José Luís Ágreda - Com trabalhos artísticos baseados na personagem Elektra criada pelo artista Americano Frank Miller, no personagem Corto Maltese criado pelo artista Italiano Hugo Pratt, no filme Leon, O profissional do realizador Francês Luc Besson
Jon Ander Azaola - Com um trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem na companhia da minha gata de estimação Ilvie
Rúben Pellejero - Com um trabalho artístico baseado no músico norte-americano Tom Waits 
Pedro RodriguezCom um trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem. 
Estados Unidos da América 
Beto Hernandez - Com trabalhos artísticos baseados na banda desenhada "Love and Rockets" 
Erik von Erik - Com trabalhos artísticos baseados numa mulher do século XXI chamada Cassandra assim como com um boneco artesanal inspirado no personagem Nosferatu
Marc HempelCom trabalhos artísticos baseado na personagem Sandman criada pelo escritor inglês Neil Gaiman. 
Finlândia 
Terhi Ekebom - Com trabalhos artísticos desenvolvidos em máscaras artesanais como sinónimo de identidade, com um trabalho artístico baseado na minha amiga Russa e excelente música Svetlana Zombierella Nagaeva, em sonhos labirinticos duma mulher, num mural pintado por si com um tigre e uma menina no seu dorso. 
França
Isabel PessoaCom um trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem. 
Walter Minus - Com um trabalho artístico baseado numa mulher de papel do século XX que se transformou noutra do século XXI.  
Itália 
Danilo Dast Strulatto - Com um trabalho artístico baseado numa boneca de trapos de Nagasaki que se assemelha à entidade grega Medusa
Stefano Zattera - Com um trabalho artístico seu sobre o personagem Earl foureyes por si criado e desenvolvido. 
Rolando Cicatelli - Com um trabalho artístico baseado numa mulher do século XXI 
Japão 
John Kurokawa - Com um trabalho artístico baseado numa mulher como adolescente e na minha amiga e música Russa Mascara Girl. 

Polónia
Bartosz Jekiel Com um trabalho artístico baseado na minha pessoa como personagem. 
Nikodem CabalaCom trabalhos artísticos baseados no músico Australiano Nick Cave. 
Suécia 
Lars Erik Sjunnesson - Com um trabalho artístico baseado no personagem Ake Javel por si criado e numa sonata musical. 
Max Andersson - Com diversos trabalhos baseados em identidade ou sonhos. 

Referências culturais e artísticas
 Interlúdios musicais-videos em multimedia organizados de forma aleatória com traduções livres da minha parte e metáforas com a essência dos temas audiovisuais.
 A minha amiga e compositora sueca Helena Espvall - numa performance com o seu tema "Albion".
 A banda britânica Bauhaus - "Bela Lugosi's dead" num vídeo musical com imagens de filmes de terror como homenagem ao actor Hungáro Bela Lugosi.
 A música nascida nas Ilhas Faroé, Eivør Pálsdóttir com o seu fabuloso tema "Trøllabundin" onde no vídeo se vislumbra a beleza natural destas ilhas.
 A compositora sueca Fever Ray com o fabuloso tema "Keep the streets empty for me".
 O compositor Francês Maurice Ravel com o seu tema "Bolero" numa junção com trabalhos artísticos produzidos com areia e que reflectem a beleza da natureza.
 A banda musical francesa Nouvelle Vague com o tema "In a manner of speaking"
 A banda musical Norte-americana Low com os temas "Lullaby" e "Words" ao vivo.
A banda britânica Cocteau Twins com o seu fabuloso tema "Musette and drums" num efeito caleidoscópico.
 O início de um concerto do meu amigo e músico alemão Oliver Blees líder da banda musical The Twang monkeys
 A banda norte-americana Ramones com o seu tema "Hey, ho, let's go" numa homenagem à série de TV Munsters.
Motivos de inspiração imagética/sensasorial a nível artístico para a elaboração desta narrativa/post:
 Séries de TV - Westworld, Peaky Blinders e Twin Peaks.
 Livros - The Invisibles pelo escritor escocês Grant Morrison, citações do filósofo norte-americano Henry David Thoreau, a trilogia do escritor Islandês Jon Kalman Steffansson com os livros "Paraíso e Inferno", "Tristeza dos anjos" e "coração de um homem", o poema "The Tyger" pelo escritor britânico William Blake, o livro "Viaggio a G. Mastorna" com argumento do realizador italiano Federico Fellini, para um filme que não chegou a concluir, com arte do mestre Italiano Milo Manara, "Pensamentos do Dalai Lima" do escritor português Jorge Lima, "Todas as cartas de amor" do escritor português Paulo José Miranda com ilustrações da artista plástica Portuguesa Mariana, a miserável.
 Citações de personalidades como o físico Alemão Albert Einstein ou o escritor português Fernando Pessoa em simples pacotes de açúcar.
Influências musicais para a elaboração desta narrativa/post
 Um projecto no qual estou a trabalhar com a ajuda de artistas internacionais baseados na personalidade Zombierella da música Russa Svetlana Zombierella Nagaeva. 
Influências cinematográficas para a elaboração deste post
 O filme "2046" do realizador chinês Wong Kar Wai.
 O filme "O Arco" do realizador Sul coreano Kim Ki Duk. 
O filme "Oito e meio" e algum do trabalho artístico do realizador italiano Federico Fellini.
 O filme "Vertical ray of the sun" do realizador vietnamita Tran Ahn Hung.
 O filme "A  casa" do realizador Lituano Sharunas Bartras.
 Influências imagéticas baseadas em pessoas reais.
A música Russa Mascara Girl.
As modelos norte-americanas Rachel e Cassandra.
 Os meus sobrinhos todos, representados pela minha sobrinha mais nova Letícia.
Todos os meus primos, representados pela minha priminha Evinha.
Todos os meus amigos de várias idades e de ambos os sexos representados pela Ceci que é a melhor amiga da minha sobrinha mais nova Letícia.
 As cinco gatas de estimação que tive e que me roubaram com os nomes Jacky, Nuala, Maya, Pimpolha, representadas pela mais recente gata que me roubaram com o nome Ilvie.
 Todas as mulheres que tiveram e têm na minha vida uma importância enorme como fonte de inspiração e não só.
A pensar como ir construindo ou (des) construindo este projecto autobiográfico em livro de papel com ajuda de artistas internacionais e com algumas ideias da minha parte.
Manuel